ColunasDestaques

Computação em Nuvem: o que você ganha com isso?

Na atualidade, é clara a percepção do aumento significativo do uso dos recursos tecnológicos por parte das pessoas e das empresas. No caso das pessoas, o uso se faz necessário pelo fato da resolução eficiente dos problemas diários. Já nas empresas, o uso é empregado com foco no aumento da competitividade entre elas. Inicialmente, a maioria das empresas tinham a necessidade de possuir enormes parques tecnológicos constituídos por servidores para suportar toda a carga de uso dos sistemas.

Nos dias atuais, isso não se faz necessário, pelo fato da existência da computação em nuvem, que garante a possibilidade da empresa possuir uma infraestrutura altamente escalável, usando os recursos tecnológicos sob demanda, acessível por qualquer dispositivo via internet, e todos esses recursos sob monitoramento automático sem a necessidade de investir em um parque computacional próprio.

Segundo a pesquisa realizada pela CompTIA em 2018, quase metade das empresas pesquisadas afirmam que 31% a 60% de seus sistemas de TI são baseados em nuvem, e que muitas organizações estão procurando otimizar e orquestrar esse uso para aproveitar ao máximo os novos modelos. A pesquisa ainda afirma que o interesse em computação em nuvem pelas organizações é crescente ao longo dos anos, pelo fato dela fornecer acesso a novas ferramentas ou permitir que as empresas consolidam seus dados, além de simplificar o processo de explorar novas possibilidades e reduzir custos.

Uma das partes positivas em se utilizar a computação em nuvem é que os colaboradores daquela organização aumentam o foco em seu negócio, permitindo maior possibilidade de inovar e oferecer novos serviços. Um dos fatores que elevam o fracasso em utilizar algum tipo de serviço em nuvem é a parte da negociação, onde fica necessário relacionar as necessidades da empresa com os serviços que o provedor de nuvem pode oferecer.

Pode-se destacar várias empresas que utilizam serviços em nuvem e que obtiveram sucesso com isso. No ramo de finanças, destaca-se a Nubank, uma fintech que inovou nesse ramo e tem sua infraestrutura 100% em nuvem. Ela fornece uma conta bancária que investe automaticamente seu dinheiro e um cartão de crédito sem anuidade, isso totalmente gerenciado através de smartphones.

No ramo de streaming de vídeos, podemos destacar a Netflix, que distribui cerca de 9 bilhões de horas de filmes e séries para mais de 100 milhões de clientes ao redor do mundo. Ela possui sua plataforma em nuvem auto gerenciada para reduzir as taxas de erros e ficar mais tempo disponível.

No poder executivo, o sucesso na nuvem também se repete, recentemente a Prefeitura Municipal de Balsas iniciou o processo de informatização do sistema de saúde. Umas das principais dificuldades era o processo de agendamento das consultas, a integração dos dados de diagnóstico dos pacientes e também na coleta de informações através dos agentes de saúde. Com o uso de serviços em nuvem, já está sendo possível realizar agendamentos pela web, integrar as informações de saúde da população, a distribuição de medicamentos e além de monitorar a produtividade dos agentes.

Sem dúvidas, a computação em nuvem tem o poder extraordinário de facilitar que soluções tecnológicas sejam melhor difundidas, pelo fato de permitir a alta escalabilidade, amplo acesso e oferecer custos sob demanda. Empresas e startups dos mais variados ramos têm usado isso de acordo com suas necessidades, para se permanecer competitivas e inovadoras.

Leonardo Miranda

Acadêmico do 8° Período de Sistemas de Informação – Unibalsas

O Maranhão se informa aqui

PM prende 10 suspeitos de associação para o tráfico de drogas e furto a residência

Empresas com 100% de sua estrutura na nuvem se destacam, como a Nubank, a Netflix e no ambito local a Prefeitura de Balsas com a informatização do sistema de saúde.  #OMaranhaoSeInformaAqui

 

Deixe seu comentário
Tags
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close